‘Alckmin vendeu a alma por tempo de TV e paga um preço amargo’, diz Ciro

O candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes, disse nesta quarta, 19, que pesquisa é um retrato do momento e que segue em sua campanha com muito trabalho e serenidade. “Sou experiente”, disse ele, numa referência ao petista Fernando Haddad ter lhe ultrapassado na pesquisa Ibope, divulgada na terça, e ocupar o segundo lugar da corrida presidencial, atrás de Jair Bolsonaro (PSL).

Ciro destacou que é amigo de Haddad, mas acredita que o País não aguenta mais a “bomba da polarização” com o PT. Ao falar das pesquisas, em entrevista para a rádio CBN e o portal G1, o pedetista falou sobre o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin. “Alckmin vendeu a alma para ter o maior tempo de TV (na aliança com o Centrão), mas está pagando um preço amargo (pois não decolou nas pesquisas e continua a aparecer com um dígito nas intenções de vot0)“.

Ciro disse que não cede a instituto de pesquisa e, apesar de falar sobre a amizade com Haddad, destacou que o petista está se precipitando em inexperiência ou até mesmo na arrogância, em se achar vitorioso ou no segundo turno, atesta o MSN.

Ao falar sobre suas propostas para a área da segurança pública, Ciro Gomes acusou as autoridades de São Paulo a fecharem acordos com facções criminosas. “Comando do PCC tem acordo com autoridades de São Paulo, todo mundo está careca de saber disso”, emendou, dizendo que o Ministério Público está vasculhando isso.

O candidato reconheceu que em seu Estado, o Ceará, a segurança não vai bem, mas disse que não é por omissão. “Fizemos todo o manual do que era preciso. Triplicamos a força policial do meu governo para cá. 100% do aumento da violência é explicado pelo comando de PCC e do CV a partir das cadeias. Minha principal proposta para reduzir a violência é assumir como federal, desde a investigação até a punição, de crimes, incluindo a corrupção policial, por meio de mudança de leis”, disse.

19/09/2018

(Visited 3 times, 1 visits today)